Blog do Jota Parente

segunda-feira, janeiro 14, 2019

Após ter exoneração pedida por Moro, diretora da Funai diz que segue 'trabalhando normalmente

A diretora de Proteção Territorial da Funai, Azelene Inácio, no dia da posse no cargo Foto: Mário Vilela/Funai BRASÍLIA — A determinação de exoneração de um diretor num órgão do governo voltou a provocar confusão na gestão Bolsonaro , com novos desencontros entre ministros e resistência do suposto exonerado em deixar o cargo. 

Desta vez, o imbróglio ocorre na Fundação Nacional do Índio(Funai) e envolve os ministros da Justiça, Sergio Moro , e da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. 

Moro determinou a exoneração da diretora de Proteção Territorial da Funai, Azelene Inácio, mesmo com a transferência do órgão da Justiça para o ministério de Damares. Em entrevista ao GLOBO no começo da tarde desta segunda-feira, Azelene disse que não foi exonerada; que continua dando expediente normalmente na Funai; e que se sente "dentro do governo do PT", e não no governo Bolsonaro, diante do que ela chama de — Eu acho que o ministro Moro está sendo induzido ao erro — afirmou Azelene. 

No começo da semana passada, Moro encaminhou à Casa Civil a determinação de exoneração de Azelene do cargo de diretora de Proteção Territorial da Funai, o que não ocorreu até a tarde desta segunda. A reformulação do governo Bolsonaro retirou a Funai da aba do Ministério da Justiça. O órgão está subordinado agora ao Ministério dos Direitos Humanos. Mesmo assim, a exoneração partiu de Moro. O imbróglio foi revelado pelo blog da jornalista Andréia Sadi no portal G1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário