Blog do Jota Parente

quarta-feira, janeiro 23, 2019

Brasil vai reconhecer Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela

Imagem da matériaBRASÍLIA (O Globo) Assim como os Estados Unidos, o Brasil reconhecerá Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela. Guaidó, que preside a Assembleia Nacional venezuelana, recebeu carta branca de boa parte dos países que compõem o Grupo de Lima (integrado por 14 nações do continente) para assumir o cargo, depois que Nicolás Maduro assumiu para um segundo mandato que não foi reconhecido por mais de 40 países.

Na época, o bloco diplomático divulgou uma declaração em apoio à intenção do opositor de assumir um governo de transição que se encarregaria de organizar novas eleições. Segundo uma fonte do governo brasileiro, "ficou claro que o Brasil está disposto a reconhecer Juan Guiadó como presidente encarregado (tal como prevê a Constituição Venezuelana) desde que Guaidó se proclame presidente da República", como aconteceu nesta quarta-feira. 

Existe a expectativa de que saia uma declaração oficial do governo brasileiro ainda nesta quarta-feira. A forma como o Brasil vai se manifestar está em discussão pelo presidente Jair Bolsonaro, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e assessores da área internacional. 

A situação na Venezuela foi largamente discutida na semana passada, em Brasília, em reuniões entre membros do primeiro escalão do governo brasileiro —- entre os quais o chanceler Ernesto Araújo e o ministro da Justiça, Sergio Moro — e líderes exilados da oposição a Maduro. Também participaram das conversas representantes do governo americano e do Grupo de Lima. 

Desde que Bolsonaro assumiu a Presidência da República, no início deste mês, o governo brasileiro subiu o tom com Nicolás Maduro, a ponto de dizer que o regime de Caracas é sustentado pelo crime organizado. Em nota, o Brasil vinculou  o regime venezuelano ao terrorismo, ao tráfico de pessoas, ao narcotráfico, à corrução e à lavagem de dinheiro. Na terça-feira, Ernesto Araújo, ao tratar do tema em uma rede social, chegou a se referir a Maduro como "ex-presidente" da Venezuela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário